quarta-feira, 12 de julho de 2017

Nacionalistas do Brasil, em defesa da nação, uni-vos! (Manifesto)




A nação está corrompida por uma corja de oligarquias partidárias que formam imoralmente uma orgia de traidores, os quais nada representam a vontade do povo brasileiro, mas os interesses particulares e de seus partidos políticos. Os resultados do exercício político-econômico inábil e improdutivo desses oligarcas parasitas fizeram com que o povo brasileiro sinta-se envergonhado de tua tão grandiosa pátria. Por conseqüência nosso povo não sabe diferenciar o Brasil histórico do Brasil contemporâneo construído por usurpadores da nação, assim relegando as raízes históricas e suas múltiplas identidades que formaram o sentimento de brasilidade, o pilar de nossa unidade nacional.


Meio a um cenário binário de duas correntes ideológicas representadas pela a esquerda e a direita nota-se que as vias são sempre as mesmas, as militâncias de ambos pressionam o cenário nacional com uma visão teórica mediante concepções ideológicas de maneira superficial, onde a aparente oposição teórica entre esquerda e direita traduz-se, em prática, na decisão de escolher se os ladrões que nos governarão usarão vermelho ou azul. É necessário construir uma alternativa que represente verdadeiramente os interesses do Brasil e dos trabalhadores brasileiros. É necessário deter o sacrifício dos setores produtivos brasileiros, do povo brasileiro, no altar de alguns poucos rentistas, cujo enriquecimento imoral e improdutivo contribui não para o engrandecimento das nações, mas para sua ruína.

As militâncias sociais da esquerda brasileira perderam a essência do pensamento marxista e as demais ideologias vermelhas, hoje estão envenenadas por pautas premeditadas pelas concepções pós-modernas e liberdades individuais, deste modo relegando a luta da classe trabalhadora modificando seu sujeito histórico, o proletariado, e favorecendo a causa de minorias que não caracterizam a massa trabalhadora, e não raramente, aburguesadas. Os mesmos querem desmanchar os costumes e as tradições que nossa identidade nacional rompendo-se com a herança da brasilidade inflando um internacionalismo que devasta o sentimento de nacionalidade e de patriotismo.

Contudo, ainda hoje existe uma parcela formada por sindicalistas que representam sua essência, mas mediante razões históricas a fantasia do comunismo já se mostrou uma teoria ultrapassada e está praticamente extinto das relações entre os estados, além de, quando posto em prática atuou de maneira errônea e desumana.

As militâncias da direita são acima de tudo militâncias iludidas pelo americanismo anglo-saxão e toda sua essência liberal, e por muitas vezes estão unidas apenas por sua estética conservadora, pois pouco se entende sobre seu conceito de economia.

A essência econômica da democracia liberal favorece apenas aos interesses da agenda internacional, a exploração da riqueza das nações por meio do capital estrangeiro, o fortalecimento das oligarquias burguesas que enganam e beneficiam-se do povo brasileiro. 

Aqueles que estão acima da militância liberal (os grandes capitalistas) não estão alinhados a temática conservadora em relação ao caráter moral, das virtudes, dos valores, da família, e da identidade cultural. Por mais que estejam forjados por princípios conservadores, estes, por sua vez, defendem apenas e exclusivamente sua riqueza material e o incentivo ao consumismo para alimentar sua base de lucro. Cultura e Virtudes são entes humanos que estão acima de valor monetário, mas para os grandes capitalistas é o contrário, o valor monetário está acima de ambos. Família e valores não favorecem as bases de lucro, família e valores são deveres cívicos. Portanto, não há justificativas alguma para que as elites defendam-nas. Por conseguinte, o capital está acima dos valores e a moral.

Estas duas respectivas posições ideológicas quando postas em prática apenas favoreceram a peculiaridade de seus interesses. Os regimes liberais representados pelo capitalismo absorveram as condições de trabalho por oligarquias capitalistas que sujeitaram o homem a exploração laboral e ao consumismo através do enriquecimento da fortuna das grandes elites capitalistas, e sujeitaram as nações ao entreguismo. Os regimes comunistas fizeram de seu povo escravos de um Estado desumanizado que socializou a misérias aos trabalhadores através de uma gestão escassa e improdutiva.

Enquanto estes regimes estavam em atividade nas relações entre os Estados, nos meados do século XX estavam entrando em ascensão regimes nacionalistas em todo o mundo, estes foram alvos dos mesmos lacaios meio a segunda guerra mundial: os regimes liberais e os regimes socialistas, assim desmantelaram-se. Este transtorno não apenas fomentou-se pelo caos da guerra, mas pela disputa de influências de ambos os regimes. Esta disputa tornou-se mais notável com o inicio da guerra fria, já que a democracia liberal e o socialismo ocuparam o vácuo dos pólos de poder, por conseqüência a disputa por influência e hegemonia evidenciou a escolha por apenas duas opções diferenciando-se por seus valores políticos, econômicos e sociais, assim sendo a democracia liberal e o socialismo.

Conforme a evidência dos fatos históricos, o socialismo diluiu-se e a democracia liberal manteve sua hegemonia na ordem internacional. Contudo, as nações entram no sistema vigente e inevitavelmente tendem a seguir, mas algumas mesmo cooperando com a nova ordem mundial buscam remodelá-la com base nos seus próprios preceitos.

Por fim, onde encontraremos uma terceira posição que viabilize a soberania da pátria e os interesses da nação brasileira? Referimos-nos a uma posição livre do cenário binário de militâncias que intimidam o povo brasileiro e ainda estão presentes em disputa constante mesmo após o termino da guerra fria.

Declaramos a renascença de uma posição dissidente da conjuntura internacional vigente, uma organização apartada das dicotomias liberais e socialistas por intermediação desta situação política remota. Surge-se das cinzas nacionalistas de face ao caos e de pé entre as ruínas da modernidade. Combatentes contrários a essa onda de conformismo que abala a nação brasileira, legionários prontos para defender a soberania nacional contra os interesses das oligarquias políticas, as pretensões do globalismo e o sistema financeiro internacional. Eis das ruínas a Legião Nacional Trabalhista.

Legionários com convicções ideológicas sobrepostas ante a consolidação de uma terceira-via nacional, refratários às dicotomias da esquerda e da direita. Brasileiros nacionalistas, defensores da justiça social, defensores da família e da identidade brasileira, idealizadores de uma doutrina nacional direcionada exclusivamente a Pátria, a terceira via Nacional-Trabalhista, uma terceira posição não apenas elevada como um dogma idealista, mas como uma cosmovisão. Assim articulando a coalizão da máxima “Nação, Trabalho e Tradição”.

Nós Nacional-Trabalhistas queremos e acreditamos que todos os brasileiros se sintam parte de uma séria e completa comunidade nacional, nós não queremos cantigas sobre direitos individuais que nunca serão sobrepostas na casa dos mais pobres. Ao contrário, almejamos que cada brasileiro faça parte dessa comunidade nacional e fazendo parte dela consiga uma vida justa e decente pelo seu trabalho.

Para adquirirmos viabilidade mediante as diretrizes ideológicas do Nacional-Trabalhismo, é necessário que se unam nossas forças de resistência. Essa força está direcionada estreitamente à múltipla composição étnica brasileira que forma a unidade nacional, os Brasis. Somos uma nação composta por diferentes povos que simbolizam nossa herança cultural de norte a sul, desde o europeu, o africano e o nativo indígena. Esta nação, quando unida, é inabalável em tempos de paz, caos ou guerra. Assim deixemos de lado as diferenças que nos dividem e almejemos a coletividade que nos une por uma só nação.

Compreendemos as diferentes identidades e expressões culturais das diversas regiões brasileiras, porém não as entendemos como espíritos apartados, mas como expressões de um mesmo espírito sob uma mesma unidade que provém de nossa história e nossos valores. Desta forma as diferenças que nos unem não nos separam, assim nasce o sentimento de brasilidade.

Com base nos preceitos ideológicos do Nacional-Trabalhismo e a união do povo brasileiro convocamos os mais leais e verdadeiros nacionalistas determinados por sua bravura impulsionar ressurgimento do espírito que inflama a chama heroica do povo brasileiro, pois se busca a pátria livre das correntes que a atormentaram. Vossos peitos e vossos braços são as muralhas brasileiras, e mau algum afetará uma nação devota à luta nacional. Ou vos deixamos a Pátria sangrar eternamente pelo os maus que sucumbiram sua soberania, ou vos poseis a combater os males que atentaram contra nossa grandeza.

Brasileiros, por um Brasil forte, soberano e desenvolvimentista, uni-vos em defesa da soberania nacional.
BRASIL, ACIMA DE TUDO! EIA SUS!





Nenhum comentário:

Postar um comentário